terça-feira, março 07, 2006


Hoje ao folhear o JL, li uma crónica de um escritor Angolano que adoro, o Ondjaki, “Da geografia dos afectos e outras marés “, não resisti colocar aqui, uma das partes que mais me marcou:

….”Olho o mar – e estou sozinho. De novo assim. Este mar que não lembra o meu, nem pelas cores nem pelo rebordo das pedras, nem mesmo pelo seu vento exarcebado. Vai cada um viajando de retorno a casa e ficam-me nos dedos, além das pedras que não trago para casa, o sal agressivo da saudade. Uma nota melódica, como que emitida por um pássaro gritante, ecoa no meu ouvido de escrever e, para dizer a verdade com alguma simplicidade, tenho saudades das vozes e das palavras dos amigos. Quero o calor das suas estórias, a imperfeição dos erros nos respingos salgados da húmida maresia. Sim, levarei dias a refazer a geigrafia dos afectos, a reaprender fronteiras, do meu português atoado até ao meu espanhol assumidamente circense.
O mar tão perto – tão abrangente, tão aquintalado de sotaques e de jeitos culturais de fazer ternura colectiva. E se todas as fronteiras de arames farpados fossem apenas um sonho mau e simples de ser rasgado com a força da palavra liberdade dita num poema sentido pelaespontânea maneira de gritarmos vontades genuínas?
Outrora eu serei de muitos lugares.Por agora peço ao Ruca pa repetir a frase do Beto: quem me dera ser onda!”

10 Comments:

Blogger Thiago said...

mãe...só tu para encontrares este excerto fantástico:-) obrigado pela partilha!

3/07/2006 1:21 da tarde  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Que bela crônica,obrigada por nos dar o prazer de conhecer!
lindo seja seu dia minha querida,
beijossssssssssss

3/07/2006 2:53 da tarde  
Blogger Miguel said...

Clarinda,

Lindissimo!!!!!!!!!

Sem palavras.....

Estava a ler o seu post e a olhar o azul do mar lindissimo que vejo da minha janela...

Eh incrivel como parecem suas as palavras do escritor......

Bjs sentidos
Miguel

3/07/2006 5:34 da tarde  
Blogger Tongzhi said...

É realmente muito bonito. E ainda por cima "com mar"... a minha paixão que nunca me canso de olhar!

3/07/2006 7:22 da tarde  
Blogger Tongzhi said...

Deixando de lado as polémicas de deve ou não haver "dias" disto e daquilo, aproveito para lhe deixar a minha homenagem!

3/08/2006 6:43 da tarde  
Anonymous Clarice said...

Voltei de férias mas segui viagem aqui. Ah, também queria ser uma onda...
Carinhos

3/08/2006 6:48 da tarde  
Blogger Um outro olhar said...

gostei de lêr
senti-me junto ao mar, quase o ouvi

:)

3/08/2006 9:02 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

as palavras nem sempre são suficientes para descrever as nossas emoções e sentimentos!
Adorei conhecê-la! Afinal o Thiago foi modesto relativamente à mãe!
A sua simpatia é cativante e é tão bom ter a oportunidade de conhecer pessoas assim, interessantes!
E, ainda teve a amabalidade de me mimar. Assim vou ficar ainda mais mimada!
Quero que saiba que quando precisar estou por perto. É só chamar-me!
Beijinhos gds
Sofia

3/08/2006 9:31 da tarde  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Linda noite minha querida,
beijosssssss

3/09/2006 1:38 da manhã  
Blogger Wakewinha said...

Eu acho que nunca cheguei realmente a construir a minha geografia dos afectos... Mas importante é que saibamos exactamente por que caminho seguir! ;)
Quanto à analogia, não posso deixar de invejar também um pouco o mar. Ele viaja por todo o lado, conhece todos os cantos do mundo, e as suas ondas são severmente poderosas! Talvez um dia possa tocar tudo e todos. Por ora opsso apenas desejar... =)
Um beijinho*

3/09/2006 8:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home