quarta-feira, maio 30, 2007


Mais uma vez ao ler Ondjaki e o seu livro
"Há prendisajens com o chão" fui surpreendida
por um poema seu, que dedicou a Richard Bach
Kaalil G e a J.L.Seagull:

seja ruído
seja beijo
seja voo
seja andorinha
seja lago
seja pacatez deárvore
seja mármore de elefante
seja alma de gaivota
seja luz num olhar
seja cardume de tardes
e grite: JÁ SOU

Pensando no R.B., K.G., J.L.S, e conhecendo
a sua obra, só Ondjaki seria capaz de uma
“maneira tão sua” escrever um poema tão simples,
e tão profundo ao mesmo tempo.

16 Comments:

Blogger Gená Franco said...

Adorei Maria Clarinda! Bach, Gibran, belas inspirações ...
Quer dizer que você já morou em BH. E seu filho nasceu aqui. Legal,
não pretende voltar aqui um dia?
Beijos!

5/30/2007 4:39 da tarde  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

A simplicidade o faz ir fundo nos sentimentos.
Obrigada pelo carinho minha amiga,
lindos dias,
beijossssssss

5/30/2007 5:08 da tarde  
Blogger poetaeusou said...

///
seja alma de gaivota
,
minhas
,
esvoaçantes
pililipando
em liberdade
,
ji
,
///

5/30/2007 5:16 da tarde  
Blogger Tongzhi said...

Isto só prova que a intensidade das palavras não está no serem rebuscadas. Bem pelo contrário, na simplicidade as coisas tornam-se muito mais perceptíveis!
Beijos

5/30/2007 6:16 da tarde  
Blogger vida de vidro said...

Perfeito. Sem necessidade de mais nada. Esse rapaz (é mesmo muito novo) escreve de forma arrebatadora. **

5/30/2007 7:36 da tarde  
Blogger Eärwen Tulcakelumë said...

"Já sou!" e como é bom "SER" , nada melhor. E que bom vir aqui e ler essa preciosidade

Obrigado sempre pelo carinho de tuas visitas.

Deixo-te pérolas incandescentes em forma de beijo.

Eärwen
30.05.07

5/30/2007 7:45 da tarde  
Blogger carmo said...

olá Clarinda,antes de mais deixe-me dar-lhe os parabens pelo seu blog que é lindíssimo,e agora sim dizer-lhe que a saudade de angola é partilhada por muito boa gente que lá esteve ou nasceu,mas a vida é feita de coisas boas e más e eu quero recordar só o que ficou de bom.gostava de ser gaivota e voar para lá novamente,um beijinho e até sempre,mungueno.

5/30/2007 10:24 da tarde  
Blogger GarçaReal said...

Vim fazer uma visita e gostei muito.

bjs

5/30/2007 10:35 da tarde  
Blogger Mário Margaride said...

Olá Clarinda,

Belíssimo este texto!

Quero por outro lado agradecer-te, as visitas e comentários que diáriamente fazes no meu Canto poético, o que muito me honra minha amiga.

Um beijinho, com muita ternura e amizade.

5/31/2007 2:11 da manhã  
Blogger Angela Ursa said...

Maria Clarinda, lindo poema sobre o exemplo da natureza para nós! Beijos da Ursa :))

5/31/2007 6:33 da manhã  
Blogger NUVEM BRANCA TÃO FOFINHA said...

Obrigada!
Como não tenho palavras deixo-te um sorriso e um abraço apertado!
OBRIGADA!

5/31/2007 11:10 da manhã  
Blogger Miosotis said...

Excelente teu post...
E o poema maravilhoso!
Tudo simples mas tão bonito.
Grata pela tua visita e pelo comentário deixado.
Apareça sempre que queira, porque é sempre bom receber amigos.
Deixo uma miosótis para vc.

5/31/2007 11:39 da manhã  
Blogger o alquimista said...

A palavra tem asas, às vezes magia...as tuas...

Doce beijo

5/31/2007 3:20 da tarde  
Blogger Reflexos da Alma said...

Olá Linda Clarinda !
Sem dúvida Ondjaki na sua simplicidade e revelação maior !
Sem dúvida que somos os nossos sentidos e as nossas multi-dimensões ....
Bela escolha que fez este Belo post ;)
Um Beijo grande e um Óptimo fim de semana cheio de coisas boas minha Querida :)

6/01/2007 11:07 da manhã  
Anonymous Nina Ferrer said...

Simples sem dúvida, mas, ninguém se tinha lembrado antes. O poeta escreve o que lhe vai na alma... simplicidade na palavra e na alma!

Obrigada pela tua visita, bjs.

6/01/2007 11:25 da manhã  
Anonymous Veronica said...

Não conheço Ondjaki a não ser por uma matéria no jornal mas com certeza citando feras como Richard Bach e Gibran ele deve ser dos meus...

beijos

6/01/2007 5:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home